Cadernos do IUM N.º 42 - Sistemas de Controlo de Gestão: Modelos, Processos e Procedimentos

Artigos

Estudo 1 - Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Transversal a Toda a Estrutura Orgânica da Força Aérea

Resumo

Este estudo procurou avaliar as atitudes dos militares da Força Aérea Portuguesa face à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ), a fim de identificar possíveis barreiras psicológicas inerentes. Partiu-se do modelo teórico proposto por Scandura, Doerr e Tejeda (2000) sobre o mesmo tema, que relaciona as dimensões Empowerment, Expetativa de Carga de Trabalho, Confiança, Compromisso de Gestão, e Instabilidade no Trabalho. Foram testadas três hipóteses: H1 – As barreiras psicológicas à implementação de SGQ na Força Aérea estão de acordo com o modelo proposto por Scandura e colaboradores (2000); H2 – A perceção de Compromisso da Gestão é positivamente influenciada pelo Empowerment e pela Confiança, e influencia negativamente a perceção de Instabilidade no Trabalho; e H3 – Os militares da Força Aérea que trabalham com SGQ implementados, apresentam maiores níveis de instabilidade percebida no trabalho quando comparados com outros. Foi utilizada uma amostra (N = 79) de militares da Força Aérea Portuguesa e uma adaptação portuguesa da medida Barriers to Quality Scale (Scandura & Stewart, 1995). Os resultados obtidos neste estudo permitiram concluir sobre a significativa importância das dimensões Empowerment, Confiança e Compromisso de Gestão, como fatores a ter em conta na prevenção de potenciais barreiras psicológicas na implementação de SGQ.

Palavras-chave

Atitudes, Barreiras Psicológicas, Sistemas de Gestão da Qualidade.

Autor(es) (*)

Avatar Hugo Miguel Martins Fazendeiro
Avatar Nuno Alberto Rodrigues Santos Loureiro
 249 | 33
Estudo 2 - Implementação de um Sistema de Controlo de Gestão e Apoio à Direção de Infraestruturas da Força Aérea

Resumo

A presente investigação tem por objeto de estudo a implementação de um Sistema de Apoio à Decisão na Direção de Infraestruturas da Força Aérea, para melhorar as decisões de investimento em infraestruturas. O objetivo é a avaliação de medidas de atuação que facilitem essa implementação, face ao ambiente interno desta Direção. Foca-se um aspeto particular destes Sistemas de Apoio à Decisão: os principais indicadores que caracterizam as infraestruturas (delimitadas, neste estudo, aos edifícios). Assim, começa-se por identificar, numa revisão da literatura, alguns indicadores (Condição, Funcionalidade e Dependência da Missão), teoricamente robustos e com aplicação prática, que podem servir como modelo de referência para um futuro sistema a implementar na Direção de Infraestruturas. Utilizando um raciocínio indutivo e uma estratégia de investigação qualitativa, suportada em seis entrevistas semiestruturadas, aplicadas a uma amostra empírica intencional, analisa-se a pertinência destes indicadores, concluindo-se que são válidos para o caso específico desta Direção. Subsequentemente, utilizando a mesma metodologia, determinam-se os aspetos potencialmente condicionantes no ambiente interno atual desta Direção (nomeadamente, recursos humanos, recursos tecnológicos e cultura organizacional), assim como medidas de atuação nos mesmos, que facilitam uma futura implementação destes indicadores. Concluiu-se que, apesar da implementação desta tipologia de cursos ainda ser residual nas organizações abordadas, esta deverá ser uma aposta estratégica das organizações, sendo de extrema importância a implementação e operacionalização de mecanismos de feedback e correção como os que se elencam na presente investigação.

Palavras-chave

Eficácia do e-learning; Avaliação; Modelo de Kirkpatrick

Autor(es) (*)

Avatar Fernando Ricardo da Silva Lopes
Avatar João Henrique Andrade Cardoso
 225 | 36
Estudo 3 - Definição e Implementação de um Sistema de Gestão de Segurança na Operação de Aeronaves Não Tripuladas na Força Aérea

Resumo

Este Trabalho de Investigação Individual propõe uma visão sobre o estado da arte em relação ao Sistema de Gestão de Segurança (SMS) e sua aplicabilidade no seio da Força Aérea Portuguesa, em concreto no caso da operação dos sistemas aéreos não tripulados (UAS). Procurou-se resumir o ponto de situação dos regulamentos que abordam esta temática, quer ao nível militar, quer ao nível civil, explanando o quão complexo e dinâmico se tem mostrado o mapa normativo mundial, com vários atores isolados ou em grupos, a desenvolver documentação sobre a matéria. Foram comparadas aquelas que são as linhas gerais das recomendações da ICAO para a implementação de um SMS e dois dos manuais que abordam a segurança na FAP, de pontos de vista distintos. Por fim, foi proposta uma lista de Indicadores de Performance de Segurança para a operação de UAS a ser aplicada num futuro SMS, bem como num possível caminho para implementação do mesmo.

Palavras-chave

Sistema de Gestão de Segurança, Indicadores de Performance de Segurança, Sistemas Aéreos Não Tripulados.

Autor(es) (*)

Avatar Jorge Filipe Nunes Rafael
Avatar Jorge Filipe Pereira Alves de Oliveira Inácio
 226 | 38

(*) NOTA: A ordem alfabética de apresentação dos autores pode não corresponder à ordem formal que se encontra no artigo.