Revista de Ciências Militares - Vol. VIII, N.º 1

Editorial

Com a publicação deste 15.º número da Revista de Ciências Militares (RCM), o Instituto Universitário Militar (IUM) robustece a divulgação da investigação realizada ao nível das Ciências Militares, apresentando cinco artigos, enquadrados na área nuclear do Comportamento Humano e Saúde em Contexto Militar, de confirmado interesse e reconhecimento científico, e de inusitada atualidade face à desditosa situação de pandemia presentemente vivenciada.

Neste âmbito, são dados à estampa conhecimentos e evidências, metodológica e empiricamente validadas, concernentes:

– À edificação de um possível modelo de emprego da reserva de disponibilidade por voluntariado, em complemento ao existente, passível de poder vir a ser adotado nas Forças Armadas (FFAA) portuguesas, para reforçar o seu efetivo e os laços com a sociedade, e aumentar a capacidade nacional de resiliência civil, através do estudo Reserva de Voluntariado: Uma aproximação à sociedade civil;

– Ao potenciar da atuação das FFAA portuguesas em missões de proteção civil, concretizado na pesquisa As Forças Armadas e os incêndios rurais – Contributos para o futuro;

– À otimização da implementação de um processo de mudança, mediante a investigação Gestão da mudança associada à implementação de um sistema de informação;

– A uma maior compreensão das atuais dificuldades de recrutamento, gestão, assim como retenção, de militares médicos nas estruturas que compõem o Sistema de Saúde Militar, refletido no trabalho Medicina operacional – Como melhorar a atratividade e quais as especialidades mais vocacionadas;

– À análise das perceções dos militares dos Quadros Permanentes das FFAA relativamente aos níveis de profissionalismo, competências, utilidade e qualidade da informação divulgada, a par do conhecimento organizacional e eventual extinção, por fusão noutro Órgão de Polícia Criminal, da PJM, que, ultimamente, tem estado sob forte escrutínio público, mediante o desenvolvimento da temática A imagem da Polícia Judiciária Militar nas Forças Armadas.

Congratulo os autores e cumprimento os leitores da RCM, a quem subscrevo votos sinceros de uma agradável e profícua leitura.

Tenente-general Manuel Fernando Rafael Martins

Comandante do IUM

Artigos

Reserva de Voluntariado: Uma Aproximação à Sociedade Civil

Resumo

Neste artigo são apresentados contributos para um novo conceito de reserva, com as características necessárias para desenvolver um modelo de emprego da reserva de disponibilidade voluntária, em complemento ao modelo existente, passível de poder ser adotado nas Forças Armadas portuguesas, reforçando os seus efetivos, os laços com a sociedade e a capacidade nacional de resiliência civil. No processo de investigação, foi usado um modelo de análise que se aplicou à realidade nacional e a modelos de emprego de reserva voluntária implementados noutros países designadamente: França, Holanda (desde janeiro de 2020, designada de Países Baixos), Itália e Reino Unido. A partir desta análise foram inferidas as características aplicáveis à realidade nacional, as quais foram avaliadas por nove especialistas. Como resultado, apresenta-se um conjunto de caraterísticas passíveis de serem vertidas num modelo de Reserva Voluntária para Portugal, tendo por base a Reserva de Disponibilidade. Concluiu-se, ainda, que o desenvolvimento de um modelo de emprego da Reserva de Disponibilidade Voluntária necessita do envolvimento da Defesa Nacional, da disponibilidade dos ex-militares e da disponibilidade ou interesse das entidades empregadoras.

Palavras-chave

Forças Armadas, Reserva, Reserva de Disponibilidade, Reserva Voluntária.

Autor(es) (*)

Avatar Cristina Paula de Almeida Fachada
Avatar João Luís Morgado Silveira
Avatar João Paulo Ramalho Marreiros
Avatar Miguel Nuno Pereira de Matos Machado da Silva
 416 | 127
As Forças Armadas e os Incêndios Rurais – Contributos para o Futuro

Resumo

Este artigo tem por mote propor contributos para potenciar a atuação das Forças Armadas em missões de proteção civil, no âmbito dos incêndios rurais. Estando delimitado à atuação em território continental, excluindo o referente aos meios aéreos. Para se identificar como se pode potenciar esta atuação, identificaram-se as necessidades no sistema vigente, na perspetiva da proteção civil. Estas, foram confrontadas com capacidades existentes nas Forças Armadas que possam sanar tais necessidades. Para isso, efetuou-se uma análise qualitativa de relatórios, planos e entrevistas a especialistas. Tendo se concluído que, para potenciar a atuação das Forças Armadas, em missões de proteção civil é necessário manter e aprofundar as atuais formas de colaboração, em conjugação com ações de sensibilização às populações (quer durante a vigilância e patrulhamento, quer durante ações de divulgação), formação de quadros da proteção civil (nomeadamente em matérias de comando e liderança), maior participação em funções de proteção civil ou um papel permanente em algumas delas (por exemplo, na prevenção e sensibilização) e produção de doutrina e organização para a proteção civil.

Palavras-chave

Forças Armadas, proteção civil, incêndios rurais.

Autor(es) (*)

Avatar Cátia Alexandra Ribeiro Santiago Ferreira
Avatar Rui Jorge Roma Pais dos Santos
 401 | 120
Gestão da Mudança Associada à Implementação de um Sistema de Informação

Resumo

A mudança é um desafio permanente para as Organizações e, decorrentemente, para a Força Aérea (FA). A conceção/operacionalização do módulo de Recursos Humanos (RH) do Sistema Integrado de Gestão (SIG), em 2018, afigurou-se um projeto complexo, que alterou os procedimentos instituídos na gestão de pessoal e no processamento de vencimentos da FA. O presente estudo analisa a gestão da mudança associada à implementação do SIG-RH, mediante um raciocínio dedutivo, alicerçado numa estratégia de investigação quantitativa com reforço qualitativo, no estudo de caso como desenho de pesquisa, e nas análises: documental, de conteúdo às entrevistas semiestruturadas a seis oficiais (chefias), e das respostas, a um questionário, de 51 militares e civis (83,6% de N=61), utilizadores do SIG-RH das Direções de Pessoal e de Finanças da FA. Dos resultados obtidos, concluiu-se que a otimização desta gestão ancora, primariamente, na sintonia entre a implementação das estratégias definidas pela chefia, e a forma como estas são efetivamente percebidas pelos utilizadores. Concomitantemente, deve focar-se em: promover o envolvimento dos colaboradores e avaliar uma intervenção mitigadora das eventuais resistências; enriquecer a comunicação interna das melhorias/mais-valias já obtidas; e reforçar as ações de formação, centradas nas competências dos utilizadores e na recolha de inputs/contributos de melhoramento.

Palavras-chave

Gestão da Mudança, Resistência à Mudança, Implementação de Sistema de Informação, Recursos Humanos, Sistema Integrado de Gestão-RH na Força Aérea.

Autor(es) (*)

Avatar Cristina Paula de Almeida Fachada
Avatar Nelson Miguel Leite de Almeida
 388 | 121
Medicina Operacional – Como Melhorar a Atratividade e quais as Especialidades mais Vocacionadas

Resumo

Nos últimos cinco anos ficou evidenciada a dificuldade na “alimentação” dos Quadros Especiais de Saúde, que a par da crescente e preocupante tendência de “erosão” dos mesmos, fruto da saída precoce de um número considerável de Médicos Militares (MM), determinam a necessidade do estabelecimento de mecanismos e critérios de gestão que permitam mitigar as disfunções referenciadas no decurso do processo de implementação da reforma do Sistema de Saúde Militar (SSM). Esta temática assume especial relevância, na medida em que visa compreender as atuais dificuldades de recrutamento, gestão, assim como a retenção de MM nas estruturas que compõem o SSM. Assim, este estudo centra-se na análise de medidas que contribuam para melhorar a atratividade da Medicina Militar, recorrendo a uma metodologia de raciocínio essencialmente indutivo, assente numa estratégia de investigação qualitativa com reforço quantitativo, substanciada no estudo de caso como desenho de pesquisa. No final concluiu-se que a motivação e o compromisso organizacional são a pedra angular do garante da retenção dos MM nas Forças Armadas. Pese embora a falta de consenso entre Ramos para definir quais as especialidades médicas mais vocacionadas para a Medicina Operacional, procurou-se identificar as especialidades mais consensuais. Como contributo para a melhoria dos processos de recrutamento, gestão e retenção de MM, sugere-se um conjunto de medidas passíveis de melhorar a atratividade da Medicina Militar.

Palavras-chave

Medicina Militar, Médico Militar, Medicina Operacional, Atratividade, Especialidades.

Autor(es) (*)

Avatar António Pedro Mesquita Bernardino
Avatar Nuno Gonçalo Jacinto Marçal
 380 | 108
A Imagem da Polícia Judiciária Militar nas Forças Armadas

Resumo

A investigação criminal apresenta-se como um desafio para as polícias e autoridades judiciárias, enquanto processo identificador da prática de um crime, do seu autor, das circunstâncias em que foi cometido e de uma efetiva responsabilização. A Polícia Judiciária Militar (PJM), assume um papel relevante no Sistema de Organização da Investigação Criminal Português, que, ultimamente tem resultado num forte escrutínio público. É, assim, objetivo deste estudo analisar a imagem da PJM junto dos militares dos Quadros Permanentes das Forças Armadas, com recurso a uma amostra de 987 efetivos dos três Ramos, e a uma metodologia de raciocínio dedutivo, assente numa estratégia de investigação quantitativa com reforço qualitativo e num desenho de estudo de caso. Dos resultados obtidos, mediante questionários e entrevistas – versando as perceções dos níveis de profissionalismo, competências, utilidade e qualidade da informação divulgada, a par do conhecimento organizacional e eventual extinção da PJM, por fusão noutro Órgão de Polícia Criminal –, concluiu-se que os militares inquiridos, apresentam uma imagem medianamente positiva desta entidade policial, percecionando-a como razoavelmente profissional, competente e útil, tendencialmente atuante em respeito pela Lei e pelos valores militares, e facilitadora da investigação criminal em contexto militar, não devendo ser extinguida, nem destituída da sua autonomia/independência.

Palavras-chave

Investigação Criminal; Utilidade Percebida; Imagem Organizacional; Perceção, imagem da Polícia Judiciária Militar; Órgão de Polícia Criminal.

Autor(es) (*)

Avatar Cristina Paula de Almeida Fachada
Avatar João Henrique Ferreira Bengalinha
 405 | 122

(*) NOTA: A ordem alfabética de apresentação dos autores pode não corresponder à ordem formal que se encontra no artigo.