Boletim do IESM Nº 2

Artigos

A Percepção da Liderança nos Exercícios "Operational Sea Training"

Resumo

A característica de vida e de morte da profissão militar e a importância desta para a sobrevivência das nações, faz com que a temática de Liderança seja um dos temas mais estudados nas últimas décadas, tanto no meio militar como no civil.
Assim, e sabendo que o tema (percepção de liderança) tem muito para desenvolver em termos de investigação de “campo”, foi aceite o desafio lançado pelo IESM. Desafio esse que se espera que produza resultados em termos de investigação, análise e conclusões nesta área com tanta aplicabilidade e necessidade no meio militar.
Neste sentido, este breve estudo consistiu na apresentação dum Problema de Investigação (PI) e na descrição da metodologia utilizada no desenvolvimento do trabalho. O PI teve como principal objectivo a Avaliação da Eficácia da Liderança, através da percepção de Liderança pelos subordinados. segundo Yulk (1998) esta metodologia de investigação é ocasionalmente utilizada para avaliar a eficácia do líder em termos da sua contribuição para o desempenho de grupo e percebida como tal pelos seus seguidores/subordinados ou observadores.
A investigação consistiu na avaliação de diferenças estatisticamente significativas entre sargentos e praças relativamente à percepção de atitudes de liderança, através de um instrumento, testado e validado, designado de comportamentos promotores de confiança (Cunha e Rego, 2004).
No sentido de garantir um enquadramento conceptual deste estudo, foi desenvolvida uma breve revisão dos principais conceitos subjacentes à investigação: Eficácia, Percepção e Liderança.

Palavras-chave

Liderança, Percepção da Liderança, Exercícios Militares, Operational Sea Training, Marinha.

Autor(es) (*)

Avatar Luís Miguel do Carmo Salvador
 297 | 138
O Processo de Formação Contínua dos Oficiais da Marinha Portuguesa: Novos Desafios Face à Envolvente

Resumo

O tema abordado no presente trabalho é extremamente relevante pois uma parte substancial da carreira de um Oficial da Marinha Portuguesa é dedicada à formação. Numa primeira fase todos os Oficiais passam por um período de formação inicial que depois é complementado através de formação ao longo da carreira.
Com base neste percurso de formação foi desenvolvido o presente trabalho, com o intuito de descrever o conceito de formação contínua, abordar as principais consequências do Processo de Bolonha na formação inicial e eventuais implicações no processo de formação ao longo da vida e de apresentar alguns modelos de formação.
Para tal, após uma breve introdução foi desenvolvido um enquadramento da formação dos Oficiais da Marinha Portuguesa.
Na secção seguinte foi desenvolvida uma avaliação do processo de formação dos Oficiais da Marinha Portuguesa no sentido de concluir se a formação é realmente contínua ou apenas faseada.
Seguidamente foram apresentados alguns contributos para aperfeiçoar o processo de formação contínua (ou aprendizagem ao longo da vida) dos Oficiais da Marinha Portuguesa, seguindo-se, no sentido da finalização, algumas conclusões e recomendações.

Palavras-chave

Formação Militar, Formação Contínua, Oficiais, Marinha.

Autor(es) (*)

Avatar Leal das Neves
 310 | 148
O Sistema Retributivo dos Militares do Exército

Resumo

A revalorização da dimensão “retribuição” no contexto sócio-profissional a que hoje assistimos vai muito para além do antigo conceito social de sobrevivência de pessoas e famílias. embora coexistam as preocupações de natureza orgânica, demonstrando a actualidade das teorias mais antigas da motivação, as vicissitudes de numa época em permanente alteração de paradigmas, onde o status e o desejo de progressão na escala social assumem outros contornos, parecem querer justificar uma nova concepção de dignidade para a pessoa humana, ainda que baseado no primado do materialismo e do individualismo.
Não obstante qualquer reflexão filosófica que possamos fazer à volta do tema, a realidade tem demonstrado que a grande maioria das organizações, de modo a satisfazer esses interesses individuais em troca de melhores resultados, ou simplesmente resultantes de pressões a que são sujeitas, tem tornado a retribuição salarial como o principal incentivo. A Administração Pública, seguindo a grande maioria das organizações laborais, tem sido permeável a essas reivindicações, especialmente por parte de algumas categorias profissionais, o que veio introduzir, ao longo do tempo, alguma iniquidade ao nível do tecido sócio-laboral.
O facto de o Exército e as Forças Armadas serem regidas por princípios éticos e deontológicos diferentes e cumprirem missões de outra natureza, carecem (e bem) de mecanismos e instrumentos de pressão e negociação sobre aspectos de natureza financeira ou não-financeira. Fruto destas ou de outras circunstâncias, nas últimas duas décadas as carreiras dos militares dos quadros permanentes assistiram a uma perda gradual e significativa de competitividade, de tal forma que, hoje, as contrapartidas da condição militar estão completamente dissolvidas na panóplia de suplementos e subsídios remuneratórios que entretanto proliferam em outras profissões. Neste sentido, no quadro da Administração Pública, importa recuperar a questão da renumeração dos militares, clarificá-la e rever a situação actual para posterior estudo e tomada de decisão.
Para a elaboração desta pequena investigação foram levantadas uma questão central e várias questões derivadas, que conduziram à definição de quatro hipóteses operacionais, as quais foram testadas com recurso à combinação de diferentes metodologias: análise histórica e documental, inquéritos por questionário (perguntas abertas) e por entrevista, benchmarhing e processos de resolução criativa de problemas. Os resultados dos questionários e das entrevistas foram objecto de uma análise sumária de conteúdo, utilizando as técnicas de análise categorial e análise das relações (bardin, 2000). Para a criação de alternativas inovadoras socorremo-nos da técnica “PAPSA” (Oliveira, 2006). O benchmarking foi utilizado, essencialmente, durante a produção de soluções/respostas aos problemas/disfunções detectados no diagnóstico.
O trabalho finaliza com a análise de um conjunto de alternativas, congregadas numa única solução, com relevância para a problemática a tratar, e por algumas recomendações de ordem prática que consideramos de utilidade, muito particularmente no momento actual.

 

Palavras-chave

Benchmarking, Cargos, Carreiras, Condição Militar, Sistema Retributivo.

Autor(es) (*)

Avatar Lúcio Agostinho Barreiros dos Santos
Avatar Paulo Jorge Varela Curro
 332 | 156
Economia e Defesa: a Defesa Económica como Componente da Defesa Nacional

Resumo

Enquanto que, no passado, a defesa assentava quase que exclusivamente no vector militar, hoje, fruto de circunstâncias históricas bem conhecidas, as componentes não-militares tendem a assumir um papel mais importante e decisivo. Neste particular, a componente económica da defesa vem assumindo um protagonismo inigualável.
É que, as novas realidades globais elevaram exponencialmente a conflitualidade económica e trouxeram a lume um conjunto de ameaças de cariz não-militar que colocam, cada vez mais, em risco a segurança de um Estado. Contra tais ameaças, de nada servem as armas tradicionais da panóplia militar.
Num contexto de globalização e de forte integração económica na União Europeia, também Portugal tem de repensar a sua defesa nacional, à luz de um novo conceito de defesa que, de facto, garanta a segurança do País. Esse conceito, basear-se-á, necessariamente, numa forte articulação de todas as suas componentes, militares e não militares, e onde a defesa económica (que não pode, hoje, ser confundida com uma economia proteccionista, administrativa e regulada) surja de forma relevante. De facto, também para Portugal, a defesa económica é uma componente fundamental da defesa e é, precisamente, no contexto supracitado, que a sua necessidade se torna mais premente.

Palavras-chave

Economia, Defesa Nacional.

Autor(es) (*)

Avatar Henrique Manuel Martins Veríssimo
 292 | 152
Guerra de Manobra: Plataforma para "Efects-Based Warfare"?

Resumo

O passo que é necessário dar para passarmos de uma abordagem baseada em objectivos para uma abordagem baseada em efeitos pode ser menos brusca do que à partida pode parecer. Basta incorporar o “estilo maneuverista” como modo de “pensar o combate”. Afinal, esse estilo não é novo, basta que relembremos a história e olhemos para os excelentes exemplos de vitórias militares desde a antiguidade.
Aos níveis operacional e estratégico, as operações baseadas em efeitos (EBO-Effects-Based Operations) têm recebido importância acrescida na comunidade militar, em especial nos EUA e NATO, através do seu estudo, discussão e argumentação para aplicação. De facto, as EBO são aceites como uma possível abordagem conceptual para as operações militares conjuntas.
[…]
E que importância pode ter para o Exército Português a abordagem por efeitos? A Brigada de Intervenção, um produto de transformação, foi desenhada tendo como referência a Striker Brigade Combat Team, a qual incorpora no seu centro de operações tácticas a célula de fogos e efeitos. Esta célula substitui a célula de apoio de fogos, agora mais expandida, e inclui os fogos não letais e os fogos letais. Deste modo, e por analogia, o coordenador de apoio de fogos da brigada, o comandante do grupo de artilharia de campanha orgânico ou em apoio directo, passa a ser o coordenador de efeitos.

Palavras-chave

Operações Baseadas em Efeitos, Guerra de Manobra.

Autor(es) (*)

Avatar Luís Fernando Machado Barroso
 292 | 146
O Terrorismo e o Poder Aéreo

Resumo

O terrorismo é uma ameaça para todos os Estados em termos individuais, e para as organizações internacionais como um todo, podendo tomar-se como exemplo as Nações Unidas (UN) e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO). Novos aspectos da ameaça, incluindo o surgimento de redes internacionais de terrorismo, e o uso previsível de armas NBQ, onde alguns autores já incluem também as armas radiológicas, impõem a necessidade da criação de novas respostas. Estas respostas surgem enquadradas numa estratégia de contraterrorismo, na perspectiva da defesa dos direitos humanos e da salvaguarda do direito internacional.
[…]
Vamos então, tendo em conta as características do Poder Aéreo, e ao analisar as formas emergentes de terrorismo que actualmente se manifestam na sociedade global, determinar de que forma se pode utilizar o Poder Aéreo no combate ao mesmo, particularizando o papel a desempenhar pela Força Aérea Portuguesa neste domínio.

Palavras-chave

Terrorismo, Poder Aéreo, Força Aérea Portuguesa.

Autor(es) (*)

Avatar Renato José das Neves Pinheiro
 292 | 149
A Influência dos Factores Humanos no Desempenho Operacional dos Controladores do Tráfego Aéreo

Resumo

A afirmação da aviação marca uma etapa histórica na configuração das relações entre os povos, ao nível político, económico e social. A sua evolução tem sido acompanhada pelos serviços de Controlo de Tráfego Aéreo (ATC), cabendo ao ser humano o papel determinante de criar e gerir modelos cujo objectivo é a segurança.
[…]
Identificar os factores humanos condicionantes do desempenho operacional dos controladores de tráfego aéreo, estudar a sua natureza e compreender as suas implicações, ao nível pessoal e organizacional, com a finalidade de perspectivar estratégias para lhes fazer face.

Palavras-chave

Factores Humanos, Desempenho Operacional, Controladores do Tráfego Aéreo.

Autor(es) (*)

Avatar António Francisco Espada Rita
 287 | 132

(*) NOTA: A ordem alfabética de apresentação dos autores pode não corresponder à ordem formal que se encontra no artigo.