Cooperação Moçambique

 

Cooperação no Domínio da Defesa (CDD) Portugal-Moçambique

Projeto 5 - Instituto Superior de Estudos de Defesa (ISEDEF)

“Tenente-general Armando Emílio Guebuza”

 

O INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS DE DEFESA

ORIGEM

Em 18 de novembro de 2011 é criado o Instituto Superior de Estudos de Defesa (ISEDEF)[1] “Tenente-general Armando Emílio Guebuza”, tendo a sua transferência para as atuais instalações, no Quartel da Machava, ocorrido em 06 de fevereiro de 2012.

O ISEDEF foi criado em resposta à necessidade de criação de uma instituição militar de ensino superior vocacionada para a formação pós-graduada dos oficiais do quadro permanente das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), bem como de altas individualidades civis, agentes económicos públicos e privados, em matérias de Defesa e Segurança.

O ISEDEF foi oficialmente inaugurado em 20 de fevereiro de 2014 por S.Exª o Tenente-general Armando Emílio Guebuza, à data Presidente da República de Moçambique, que é também o seu Patrono.

 

MISSÃO DO ISEDEF

Assegurar a formação contínua dos oficiais do Quadro Permanente, promovendo o desenvolvimento das FADM nos planos científico, doutrinário e técnico-militar, bem como apoiar a formulação do pensamento estratégico nacional através do estudo, formação, investigação e divulgação das questões de Defesa e Segurança.

 

CURSOS

Sendo uma das competências do ISEDEF a realização de Cursos de Promoção, Qualificação e Atualização que habilitem os Oficiais para o exercício de funções inerentes aos postos de oficial superior e oficial general, os principais cursos ministrados no Instituto, com orientação do Projeto 5 são os seguintes:

  • Curso de Altos Comandos (CAC)

O CAC tem por finalidade complementar a preparação dos Coronéis e dos Capitães de mar-e-guerra nomeados para o curso para o exercício das funções inerentes aos altos cargos de Comando, Direção e Estado-Maior, no mais elevado escalão. O CAC constitui condição especial de promoção a Oficial General. Tem a duração de 36 semanas, estando organizado em quatro áreas científicas (Estratégia, Administração, Operações e Trabalho de Investigação Individual).

Objetivos gerais:

  • Promover o conhecimento mútuo dos auditores dos três Ramos das Forças Armadas, principalmente o entendimento comum dos problemas da segurança, muito em especial os respeitantes à atividade de Defesa Nacional, enquadrando-os numa perspetiva essencialmente político-estratégica;
  • Fornecer a informação necessária, como complemento da adquirida ao longo da carreira, para preparar os auditores como gestores de topo, aos níveis sistémico, conceptual e doutrinário.

 

Quadro resumo do Curso de Altos Comandos

Áreas curriculares

Tempos Escolares

  Administração

190

  Estratégia

175

  Operações

349

  Trabalho Final de Curso

136

  Outras atividades

136

Total

940

 

        

Brífingue do CEMC no âmbito da Componente Específica do Exército

Tema de Operações Conjuntas integrando CAC e CEMC

  

 

  • Curso de Estado-Maior Conjunto (CEMC)

O CEMC é um curso de qualificação, que se destina a habilitar os Oficiais Superiores das FADM para o desempenho de funções de Estado-Maior, docência e assessoria em Estados-Maiores Conjuntos (Nacionais e Internacionais), Órgãos Superiores das FADM, Ministério da Defesa Nacional, Órgãos Conjuntos e Combinados e nos Estabelecimentos Militares de Ensino Superior. Tem a duração de três semestres, estando organizado em nove áreas científicas (Administração, Educação Cívica, Moral e Patriótica, Enquadramento Doutrinário, Estratégia, Matérias Específicas do Exército, Matérias Específicas da Força Aérea, Matérias Específicas da Marinha, Operações e Trabalho de Projeto).

Objetivos gerais:

  • Praticar procedimentos em estados-maiores;
  • Compreender e praticar o Processo de Decisão Militar;
  • Aplicar o planeamento tático e o emprego de forças ao nível da Componente (Terrestre, Marítima e Aérea);
  • Aprofundar conhecimentos nas áreas da administração de organizações e da gestão de recursos (humanos, materiais e financeiros);
  • Analisar o enquadramento legal da Defesa Nacional, bem como da organização superior das Forças Armadas;
  • Estudar as relações internacionais aplicadas aos contextos mundial e regional;
  • Aplicar o sistema de normas do direito internacional público que regulam o uso da força;
  • Analisar as relações de poder no sistema internacional nos contextos geopolítico, geoestratégico e económico;
  • Analisar em termos conceptuais a segurança e defesa e o desenvolvimento nas organizações internacionais e regionais;
  • Aplicar o estudo da história militar geral, constituindo-se como um instrumento de apoio ao conhecimento da estratégia, operações e logística;
  • Compreender o fenómeno da guerra;
  • Praticar o planeamento e a análise estratégica no contexto nacional;
  • Aplicar o planeamento estratégico e de emprego de forças em operações conjuntas e combinadas;
  • Praticar e conhecer os procedimentos nacionais relativos ao planeamento, conduta e avaliação de exercícios;
  • Aprofundar os conhecimentos sobre Educação Cívica, Moral e Patriótica;
  • Desenvolver as competências de comunicação, investigação e informação.

Quadro resumo do Curso de Estado-Maior Conjunto

Áreas curriculares

Tempos Escolares

  Enquadramento Doutrinário

210

  Matérias Específicas

225

  Operações

195

  Estratégia

219

  Administração

162

  Educação Cívica, Moral e Patriótica

40

  Culminação do Ciclo de Estudos

455

  Outras atividades

94

Total

1600

  

Aula do CEMC no âmbito das Operações Conjuntas e Combinadas

Trabalhos de campo do CEMC no âmbito das Matérias Específicas do Exército