Cooperação Angola

 

Cooperação no Domínio da Defesa Portugal - Angola 

Projeto nº 5/ Escola Superior de Guerra

 

 

            

 

Na sequência dos Acordos de Paz para Angola de 31 de Maio de 1991 (Acordos de Bicesse) e nos termos do Despacho N.º 4/92 de 20 de Fevereiro 1992 da Comissão de Criação das Forças Armadas (CCFA), foi criado o INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO MILITAR (ISEM), na direta dependência do Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas Angolanas (CEMGFAA).

O ISEM iniciou atividades com a missão genérica de qualificar Oficiais com doutrinas e procedimentos comuns. Tendo, entre 1992 e 95 qualificado cerca de 3000 Oficiais de diferentes especialidades e postos (de Aspirante a General), de todos os Ramos das Forças Armadas Angolanas (FAA).

No ano de 1996, a coberto do Despacho n º 8/96 de 19 de Fevereiro, do CEMGFAA, o ISEM foi objeto de uma reorganização, tendo-lhe sido atribuída uma nova missão de qualificar e especializar Oficiais dos Quadros Permanentes das FAA e da Polícia Nacional de Angola (PNA).

Consequentemente e apoiado pela Assessoria Portuguesa, no âmbito da Cooperação Técnico-Militar Luso-Angolana, realizou 4 Cursos de Atualização para Oficiais Generais e Superiores das FAA e da PN.

Em Maio de 1997 o currículo desse mesmo Curso foi alvo duma revisão que conduziu a uma ampliação e aprofundamento dos seus objetivos e ao ajustamento dos conteúdos programáticos. Assim, realizaram-se mais 4 Cursos, designados de Curso de Comando e Direção (Atualização) que passaram a receber o contributo de professores do Instituto de Altos Estudos Militares, de Portugal.

Em Fevereiro de 2009, o ISEM passa a designar-se por Escola Superior de Guerra (ESG), decorrente do processo de Reedificação das FAA, mantendo-se na dependência do CEMGFAA.

Para o desenvolvimento do Projecto nº5 – Apoio à ESG, a Assessoria Portuguesa é constituída por um Director Técnico e por um Assessor Técnico, ambos permanentes, e por vários Assessores Técnicos Temporários, todos professores do IUM.

 

MISSÃO

  • Preparar os Oficiais Generais e os Oficiais Superiores para o desempenho de funções de Comando e de Estado-Maior ou outras que lhes competem ao mais alto nível da estrutura de segurança e defesa militar;
  • Realizar uma permanente investigação da evolução dos conhecimentos militares com vista a contribuir para a atualização e unificação das doutrinas das Forças Armadas.

 

Cooperação no Domínio da Defesa Portugal-Angola

PROJETO Nº5

Objetivo Global:

Apoiar tecnicamente a Escola Superior de Guerra

 

Objetivos Específicos (OE):

  1. Apoiar o Comando no âmbito da organização e funcionamento da Escola.
  2. Apoiar a definição de conteúdos, planeamento e programação dos cursos ministrados na Escola.
  3. Apoiar técnica e pedagogicamente a lecionação do Curso Superior de Comando e Direção e a lecionação do Curso de Comando e Estado-Maior.
  4. Apoiar tecnicamente a formação de docentes.
  5. Apoiar a Biblioteca no desenvolvimento do seu acervo, no que concerne à disponibilização de conteúdos sob a forma digital acessíveis remotamente.
  6. Apoiar a implementação de uma Plataforma Académica.

 

Curso Superior de Comando e Direção (CSCD)

Destina-se aos Oficiais-Generais e Coronéis das FAA e da PNA, e de países amigos, com patentes equivalentes.

Finalidade:

Promover o conhecimento mútuo e o entendimento comum dos problemas de segurança, muito em especial os respeitantes à atividade de Defesa Nacional, enquadrando-os numa perspetiva essencialmente político-estratégica;

  • Fornecer a informação necessária, como complemento da adquirida ao longo da carreira, para preparar os discentes como gestores de topo, aos níveis sistémico, conceptual e doutrinário

 

BLOCOS DE MATÉRIAS

Nº TEMPOS ESCOLARES

I. ADMINISTRAÇÃO

170

II. TÁCTICA

244

III. OPERAÇÕES

93

IV. ESTRATÉGIA

170

V. MATÉRIAS GENÉRICAS

15 (228)

VI. TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO INDIVIDUAL

200

VII. DIVERSOS

143

TOTAL DE TEMPOS ESCOLARES

1.035 (1.263)

  
 

Curso de Comando e Estado-Maior (CCEM)

Destina-se aos Oficiais Superiores das FAA, da PNA e de países amigos, com patentes equivalentes.

Finalidade:

  • A atualização do pensamento estratégico perante uma realidade das relações internacionais complexa e difusa, tendo em vista o planeamento estratégico nacional;
  • A gestão de recursos afetos à Segurança e Defesa Nacional numa perspetiva de otimização do seu emprego;
  • O planeamento operacional no que respeita a programação, preparação e emprego de forças e capacidades militares em operações conjuntas e combinadas, numa abordagem integrada com os restantes instrumentos do poder nacional.

 

BLOCOS DE MATÉRIAS

Nº DE TEMPOS ESCOLARES

I. ADMINISTRAÇÃO

225

II. TÁCTICA

309

III.OPERAÇÕES

93

IV. ESTRATÉGIA

110

V.MATÉRIAS GENÉRICAS

38 (+228)

VI. TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO INDIVIDUAL

163

VII. DIVERSOS

97

TOTAL DE TEMPOS ESCOLARES

1.035 (1.263)

 
 

Ano letivo 2018

CSCD é constituído por:

  • 39 Auditores (10 Oficiais-Generais e 29 Coronéis. 28 Auditores das FAA e PNA e 11 auditores de Países amigos: 6-República do Congo; 2-Guiné-Bissau; 2-Moçambique e 1-S. Tomé e Príncipe).

CCEM é constituído por:

  • 53 Oficiais-discentes (23 Coronéis; 28 Tenente-Coronéis e 2 Majores. 51 Oficiais-Discentes das FAA e PNA e 2 Oficiais-discentes da Guiné-Bissau).

 

Representação Internacional nos cursos ministrados na ESG desde a sua criação: 

 

PAÍSES AMIGOS

Nº DE PARTICIPANTES

1

República Democrática do Congo 10

2

República da África do Sul 5

3

República de S. Tomé e Príncipe 15

4

República de Cabo Verde 30

5

República da Zâmbia 24

6

República do Congo 53

7

República do Zimbabué 16

8

Namíbia da República

71

9

República de Moçambique

29

10

República da Guiné-Bissau

18

TOTAL DE PARTICIPANTES (até 2017)

271

 
 
 
 
 
 

 

Visit lbetting.co.uk how to sing-up at ladbrokes